domingo, 29 de maio de 2011

Mascara.

Postado por Laryssa Saboya às 13:46 3 comentários

As pessoas não acreditam que você consiga ser assim sempre, duro, frio, inquebrável. Elas insistem em dizer que um dia ele quebra e amolece, mas eu prefiro continuar com minha tese, de que ele será assim até quando eu quiser, de que o melhor mesmo é que ele seja assim, por que depois de tantas lutas e naufrágios, ele foi se camuflando e criando essa armadura tão potente que as vezes chega a dar medo. Só te peço uma coisa, não tenha medo de mim, só porque ele é dominado pelos meus pensamentos, mas ele ainda pulsa e é tão lindo esse coração!

Laryssa Saboya.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

És

Postado por Laryssa Saboya às 14:37 0 comentários

presença, e, mesmo quando és ausência, és muito mais do que saudade. És vontade de ver de novo, de ver mais, de ver mais de perto, ver melhor. E tocar, de modo que, cada toque, eu tenha um pouco mais de ti em mim, para que não haja mais ausência. Te encontrar virou apenas uma questão de fechar os olhos. Tenho confundido 'eu' com 'nós'. Mas essa confusão só me acontece porque eu tenho certeza de tudo que eu sinto. E o que eu sinto é o tal do amor. Aquele surrado, mal-falado, desacreditado e raro amor, que eu achava que não existia mais. Pois existe. E arrebata, atropela, derruba, o violento surto de felicidade causado pelo simples vislumbre do teu rosto.

domingo, 22 de maio de 2011

Foi assim!

Postado por Laryssa Saboya às 11:23 1 comentários

Cumpriu sua sentença e encontrou-se com o único mal irremediável, aquilo que é a marca de nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo o que é vivo morre.

O auto da compadecida!

sábado, 21 de maio de 2011

Meu eu.

Postado por Laryssa Saboya às 19:49 0 comentários

Os ponteiros do relógio passava e ela não se importava mais com aquele barulho do relógio, pois sabia que cada tic tac era um segundo a menos para o tal reencontro, mas de que reencontro você acha que eu estou falando caro leitor? Era o dela com ela mesma, já que havia se perdido e desejava desde sempre se encontrar e poder dizer: Olá eu, que bom que você voltou, senti falta de mim!

L.L.S

Template by:

Free Blog Templates