segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

2012

Postado por Laryssa Saboya às 12:14 0 comentários

2011 chega ao fim, e ganhamos um 2012. Começar um novo ano é sempre bom, pois temos oportunidade de mudarmos, crescermos e evoluir, rever nossa vida. Eu espero, de verdade, que neste novo ano, as pessoas se tornem melhores, mais amáveis, mais compreensivas, menos egoístas, digam mais sim, sejam mais sinceras. Afinal de contas, o mundo não muda, quem muda são as pessoas, e as pessoas sim podem mudar o mundo. Feliz 2012 para todos!

~ Todo dia é uma nova chance que Deus nós concede para sermos melhores!

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Sonho.

Postado por Laryssa Saboya às 08:32 0 comentários

Já fui amada e querida, hoje não sou mais ninguém, já fui consolo dos tristes, hoje estou triste também!
Bisa.

Um ponto.

Postado por Laryssa Saboya às 05:50 1 comentários

Olha, você deve tá de brincadeira, eu não sou o tipo de pessoa que gosta de (in)diretas, fale, fale, e pronto, acabou, sem rodeios, é só falar... Fale do mesmo jeito que você come!


L.L.S

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Bisa...

Postado por Laryssa Saboya às 06:25 0 comentários

Se eu soubesse que chorando empatava a sua viagem, choraria rios d'água só pra não te dar passagem. As palmeiras estão de luto, folhas caem no chão sem sentimento, meu benzinho um dia volte, você vai fazer saudade a gente!


L.L.S

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Sopro.

Postado por Laryssa Saboya às 06:36 1 comentários

EU: Ei, seu Zé, quanto anos o senhor tem?
ZÉ: Minha filha, o senhor está no céu, agora eu tenho 93 anos de idade.
EU: Olha seu Zé, não parece que o senhor tem 93 anos, parece que tem menos.
ZÉ: Minha filha, o senhor que está no céu deve ter bem menos ou até mais, mas eu tenho 93 mesmo.
EU: Seu Zé, o senhor sente muita saudade de sua Antônia?
ZÉ: Minha querida, o senhor está no céu, não sei se ele tem ou teve mulher, agora eu sinto uma saudade grande de minha Antônia.
EU: E o senhor conhece o seu Chico?
ZÉ: Olha só, o senhor do céu com certeza deve conhecer, pois ele conhece todo o mundo, agora eu não sei de quem se trata.
EU: Seu Zé, o senhor é muito esperto!
ZÉ: O senhor que está no céu é mesmo, eu sou um simples mortal.

EU: Ei, seu Zé, eu sei que agora estas no céu, olha por mim daí de cima junto com o senhor DEUS, que tanto me ensinou, e diz pra ele que o senhor é muito esperto, me guia, me ilumina e me protege.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Exato Momento.

Postado por Laryssa Saboya às 16:21 7 comentários



O amor precisa da sorte, de um trato certo com o tempo, pra que o momento do encontro seja pra dois o exato momento. O amor precisa de sol e do barulho da chuva, de beijos desesperados, de sonhos trocados da ausência de culpa. Talvez o amor só seja assim pra mim e pra você não seja nada disso, mas eu prometo tentar aprender a te amar do jeito que for preciso. Mas se o amor quiser mudar as leis do que é certo, ele faz que o improvável aconteça. Quando o amor vier não tema, tenha fé, que ele será seu olhar, esplendor e beleza!
Zé Ricardo.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Olá.

Postado por Laryssa Saboya às 11:52 1 comentários

Meu amigo, faz tanto tempo que não nos vemos, parece uma eternidade e não sei por onde começar. Ainda tenho no meu coração todas as lembranças do amor perfeito que você me deu. Lembro-me de tudo que passamos, dos alto e baixos, de quando você estava lá para me dá sua mão e me apoiar. Isto traz lágrimas aos meus olhos, mas eu acredito que estamos unidos a muitas vidas atrás e a frente. A vida muda com uma rapidez (in)comum, mas dentro de mim sempre acho os momentos bons e encontro a paz.
L.L.S

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Não sei.

Postado por Laryssa Saboya às 11:21 1 comentários


Por que você vem aqui, sabendo que eu já tenho problemas o suficiente? Por que você me liga, sabendo que eu não posso atender? Me faz mentir quando eu não quero? Me faz ficar quando eu não deveria? Por que você vem aqui, e finge que só está de passagem? Se você é tão forte acabe com a fraqueza que há em mim. Eu preciso te ver - Eu preciso te abraçar - Com força.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Soltos II

Postado por Laryssa Saboya às 08:47 3 comentários


Ei, acorda, desse jeito parece que você vive dormindo, há vozes que querem ser ouvidas. Tanto a falar, mas você não consegue achar as palavras. Eu sei que depois desse teu sorriso existe algo, sim, eu tenho uma noção bem melhor do olhar em seus olhos. Acredita, não pense que aquele amor que você construiu pode se quebrar, não deixe seu paraíso, virar escuridão. Quando ele chamar por você, simplesmente não há mais nada a se fazer, antes de você dizer adeus, escuta seu coração!




quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Soltos...

Postado por Laryssa Saboya às 09:05 11 comentários


Você está ao telefone e eu estou brava com algo que você disse, não entendo o seu humor... É uma típica quarta-feira, estou ouvindo o tipo de música que você não curte... Certos sentimentos não são tão simples de explicar... Rir, rir, rir... Começo a rir... Com raiva ainda? sim... Muita? muita... Ei, Você tem um sorriso tão lindo que poderia iluminar a cidade inteira... Com raiva ainda? sim... Muita? não... Risos...

Laryssa Saboya.

domingo, 31 de julho de 2011

Parabéns!

Postado por Laryssa Saboya às 14:35 2 comentários

No meio de tanta gente, alguém se torna especial pra você e você se aproxima, você começa a descobrir que numa multidão, alguém não é multidão. O amor é essa capacidade de retirar alguém da multidão, tirar do lugar comum, para um lugar delicado, especial. A união de duas pessoas sempre mostra que algo de sublime, perfeito, sensível, ainda existi. Desejo que vocês sejam muito felizes, superando os momentos ruins e vivendo, com intensidade, os bons.

No casamento, as pequenas coisas são as grandes coisas.
Felicidades.
By: Laryssa.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Sei lá.

Postado por Laryssa Saboya às 09:27 1 comentários
Deve ser apenas paranoia, ou sei lá o quê... Mas quem escreve deve ser assim mesmo, meio nostálgico, meio paranoico, meio pensativo demais, meio esquisito demais, meio preocupado demais, meio louco, meio triste, ou sei lá o quê... Quem escreve, escreve para alguém, para um, para dois, para nós, para todos, ou sei lá pra quem... Deve ter uma razão, ninguém sai por aí escrevendo ao vento, deve ser pra alguém, ou sei lá o quê....

L.L.S

quinta-feira, 16 de junho de 2011

O que será?

Postado por Laryssa Saboya às 17:39 2 comentários

Se fosse amor não era doído, nem sofrido, deve ser qualquer outra coisa, menos amor.

L.L.S

domingo, 29 de maio de 2011

Mascara.

Postado por Laryssa Saboya às 13:46 3 comentários

As pessoas não acreditam que você consiga ser assim sempre, duro, frio, inquebrável. Elas insistem em dizer que um dia ele quebra e amolece, mas eu prefiro continuar com minha tese, de que ele será assim até quando eu quiser, de que o melhor mesmo é que ele seja assim, por que depois de tantas lutas e naufrágios, ele foi se camuflando e criando essa armadura tão potente que as vezes chega a dar medo. Só te peço uma coisa, não tenha medo de mim, só porque ele é dominado pelos meus pensamentos, mas ele ainda pulsa e é tão lindo esse coração!

Laryssa Saboya.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

És

Postado por Laryssa Saboya às 14:37 0 comentários

presença, e, mesmo quando és ausência, és muito mais do que saudade. És vontade de ver de novo, de ver mais, de ver mais de perto, ver melhor. E tocar, de modo que, cada toque, eu tenha um pouco mais de ti em mim, para que não haja mais ausência. Te encontrar virou apenas uma questão de fechar os olhos. Tenho confundido 'eu' com 'nós'. Mas essa confusão só me acontece porque eu tenho certeza de tudo que eu sinto. E o que eu sinto é o tal do amor. Aquele surrado, mal-falado, desacreditado e raro amor, que eu achava que não existia mais. Pois existe. E arrebata, atropela, derruba, o violento surto de felicidade causado pelo simples vislumbre do teu rosto.

domingo, 22 de maio de 2011

Foi assim!

Postado por Laryssa Saboya às 11:23 1 comentários

Cumpriu sua sentença e encontrou-se com o único mal irremediável, aquilo que é a marca de nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo o que é vivo morre.

O auto da compadecida!

sábado, 21 de maio de 2011

Meu eu.

Postado por Laryssa Saboya às 19:49 0 comentários

Os ponteiros do relógio passava e ela não se importava mais com aquele barulho do relógio, pois sabia que cada tic tac era um segundo a menos para o tal reencontro, mas de que reencontro você acha que eu estou falando caro leitor? Era o dela com ela mesma, já que havia se perdido e desejava desde sempre se encontrar e poder dizer: Olá eu, que bom que você voltou, senti falta de mim!

L.L.S

sábado, 30 de abril de 2011

Rádio.

Postado por Laryssa Saboya às 15:27 2 comentários

Hoje passou aquela música no rádio e eu estou cheia dela, porque toda vida que a escuto eu lembro de como costumava ser, mas eu, simplesmente, não consegui desligar o rádio!

terça-feira, 26 de abril de 2011

De repente

Postado por Laryssa Saboya às 06:50 1 comentários
a gente se encontra numa esquina,numa praia,num outro planeta,no meio duma festa ou duma fossa.

domingo, 24 de abril de 2011

Eu acho

Postado por Laryssa Saboya às 12:17 1 comentários

que nao sou tão forte assim para falar adeus!

sábado, 23 de abril de 2011

Ei,

Postado por Laryssa Saboya às 15:36 0 comentários

obrigada por me amar!

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Renascer.

Postado por Laryssa Saboya às 10:36 0 comentários

A páscoa traz a possibilidade de redenção dos pecados e dos erros, por meio da ressurreição interior com mudanças efetivas em nosso modo de viver, a ressurreição interior É ser capaz de mudar, é partilhar a vida na esperança, é lutar para vencer toda sorte de sofrimento. É ajudar mais gente a ser gente, é viver em constante libertação, é crer na vida que vence a morte. É dizer sim ao amor e à vida, é investir na fraternidade, é lutar por um mundo melhor, é vivenciar a solidariedade. É renascimento, é recomeço, é uma nova chance para melhorarmos as coisas que não gostamos em nós, para sermos mais felizes por conhecermos a nós mesmos mais um pouquinho e vermos que hoje, somos melhores do que fomos ontem.


Feliz páscoa!

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Conflito.

Postado por Laryssa Saboya às 06:48 1 comentários

Pego o meu celular, eu estou numa zona de guerra. Alvo de todos. Eu quero ter crianças, eu poderia deixar uma lição. E a minha geração acabou, acabou, acabou? Fale, continue falando faça nós todos acreditarmos. Você sabe que não somos tão burros. Não acredito em seus aliados. Não acredito que está lado a lado. Não acredito que sou aquele paralisado. Não acredito em alvos. Não acredito em faíscas. Não acredito que sou aquela destruição em massa. Não acredito em uma palavra que você diz. Não acredito que você pode me deixar um centavo rico no Reino de Deus!

segunda-feira, 21 de março de 2011

Sorriso.

Postado por Laryssa Saboya às 05:00 3 comentários

Sorriso, diz-me aqui o dicionário, é o acto de sorrir. E sorrir é rir sem fazer ruído e executando contracção muscular da boca e dos olhos.
O sorriso, meus amigos, é muito mais do que estas pobres definições, e eu pasmo ao imaginar o autor do dicionário no acto de escrever o seu verbete, assim a frio, como se nunca tivesse sorrido na vida. Por aqui se vê até que ponto o que as pessoas fazem pode diferir do que dizem. Caio em completo devaneio e ponho-me a sonhar um dicionário que desse precisamente, exactamente, o sentido das palavras e transformasse em fio-de-prumo a rede em que, na prática de todos os dias, elas nos envolvem. Não há dois sorrisos iguais. Temos o sorriso de troça, o sorriso superior e o seu contrário humilde, o de ternura, o de cepticismo, o amargo e o irónico, o sorriso de esperança, o de condescendência, o deslumbrado, o de embaraço, e (por que não?) o de quem morre. E há muitos mais. Mas nenhum deles é o Sorriso.
O Sorriso (este, com maiúsculas) vem sempre de longe. É a manifestação de uma sabedoria profunda, não tem nada que ver com as contracções musculares e não cabe numa definição de dicionário. Principia por um leve mover de rosto, às vezes hesitante, por um frémito interior que nasce nas mais secretas camadas do ser. Se move músculos é porque não tem outra maneira de exprimir-se. Mas não terá? Não conhecemos nós sorrisos que são rápidos clarões, como esse brilho súbito e inexplicável que soltam os peixes nas águas fundas? Quando a luz do sol passa sobre os campos ao sabor do vento e da nuvem, que foi que na terra se moveu? E contudo era um sorriso.

José Saramago.

sábado, 5 de março de 2011

Atenção.

Postado por Laryssa Saboya às 07:04 2 comentários

Silêncio agora, sua voz parece há milhas de distância, é como se de alguma forma eu ouvisse sua canção ecoando um pouco mais macia a cada dia e atravessa meu coração cansado, um pouco distante. Eu cantarei o dia todo sem interrupção, apenas faça o possível para me ouvir, é tudo o que você pode fazer. Você tem minha atenção, como você tem tido todo o tempo, desde daquele primeiro dia que você fez meu coração sorrir com olhos amáveis e tristes suspiros. Você tem minha atenção como um grito ininterrupto em um santuário vazio. Fale em um sussurrou e eu ouvirei um sermão, você tem minha atenção.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Fatos.

Postado por Laryssa Saboya às 16:09 1 comentários

Eu sei que vou. Insisto na caminhada. O que não dá é pra ficar parada. Se amanhã o que eu sonhei não for bem aquilo, eu tiro um arco-íris da cartola. E refaço. Colo. Pinto e bordo. Porque a força de dentro é maior. Maior que todo mal que existe no mundo. Maior que todos os ventos contrários. É maior porque é do bem. E nisso, sim, acredito até o fim. O destino da felicidade, me foi traçado no berço.






Num deserto de almas também desertas, uma alma especial reconhece de imediato a outra.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

ColoRIR

Postado por Laryssa Saboya às 04:06 2 comentários

Ô minha filha, as suas dores não são as maiores do mundo e nem vão ser. Sacode a poeira. Toma um banho de rio. Abre essas asas. Grita alto, chora baixo. Pula alto e cai de cara. Desenha toda a beleza do mundo. Compra uma caixa de lápis de cor e sai aí colorindo a vida.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Por nada.

Postado por Laryssa Saboya às 05:22 1 comentários

Não te pedi nada, mas no fundo eu queria alguma coisa, e você sempre submisso fizeste como eu queria, não me destes nada, e no fim ficou por isso mesmo. Eu sem ''querer'' nada e você sem me dar nada.

Scamp, Lary

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Três pontos.

Postado por Laryssa Saboya às 07:16 1 comentários

História escrita a lápis, lápis-borracha para tudo ser mais prático. Escrita de qualquer jeito, torta, em linhas invisíveis. Com um início de perder o fôlego, mas com um eterno três pontinhos num final que nem existe. Os três pontinhos são o que me matam, ponto final seria a dureza clara e o fim da história, três pontinhos são o que me matam.

Music.

Postado por Laryssa Saboya às 03:20 0 comentários

Há músicas que nos fazem querer dançar, músicas que nos fazem querer cantar junto, mas as melhores músicas são aquelas que nos levam de volta à primeira vez que as ouvimos e, mais uma vez, partem nosso coração, ou não.

sábado, 22 de janeiro de 2011

Respeite a vida.

Postado por Laryssa Saboya às 14:25 4 comentários

Mãe, fui a uma festa e me lembrei do que você me disse. Você me pediu que eu não tomasse álcool, mãe… Então, ao invés disso, tomei uma ‘Sprite’. Senti orgulho de mim mesma, e do modo como você disse que eu me sentiria e que não deveria beber e dirigir. Ao contrário do que alguns amigos me disseram, fiz uma escolha saudável, e teu conselho foi correto. E quando a festa finalmente acabou, e o pessoal começou a dirigir sem condições… Fui para o meu carro, na certeza de que iria para casa em paz... Eu nunca poderia imaginar o que estava me aguardando, mãe… Algo que eu não poderia esperar… Agora estou jogada na rua, e ouvi o policial dizer: O rapaz que causou este acidente estava bêbado… Mãe; sua voz parecia tão distante... Meu sangue está escorrido por todos os lados e eu estou tentando com todas as minhas forças, não chorar… Posso ouvir os para-médicos dizerem: – ‘A garota vai morrer’ . Tenho certeza de que o garoto não tinha a menor ideia, enquanto ele estava a toda velocidade, afinal, ele decidiu beber e dirigir, e agora tenho que morrer... Então por que as pessoas fazem isso, mãe? Sabendo que isto vai arruinar vidas? E agora a dor está me cortando como uma centena de facas afiadas… Diga a minha irmã para não ficar assustada, mãe! Diga ao Papai que ele seja forte. E quando eu for para o céu, escreva ‘Garotinha do Papai’ na minha sepultura. Alguém deveria ter dito aquele garoto que é errado beber e dirigir. Talvez, se seus pais tivessem dito, eu ainda estaria com Possibilidades de continuar viva. Minha respiração está ficando mais fraca, mãe, e estou realmente ficando com medo… Estes são meus momentos finais e me sinto tão despreparada... Eu gostaria que você pudesse me abraçar, mãe… Enquanto estou estirada aqui, morrendo, eu gostaria de poder dizer que te amo, mãe! Então… Te amo e adeus…!


Essas palavras foram escritas por um repórter que presenciou o acidente. A jovem, enquanto agonizava, ia dizendo as palavras e o repórter, anotando…


Se beber não dirija, inocentes agradecem.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Mudar.

Postado por Laryssa Saboya às 06:05 1 comentários

Aos poucos a gente vai mudando o foco. E o lugar nem te acrescenta mais, você começa a precisar de outros lugares. E de outras pessoas. E de bebidas mais fortes. Nem pensa. Vai indo junto com as coisas.


Imagine. Invente. Sonhe. Voe. Se a realidade te alimenta com merda, meu irmão, a mente pode te alimentar com flores.
(C.F.A)

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Chuva.

Postado por Laryssa Saboya às 05:58 1 comentários

Hoje tomei banho de chuva, foi tão edificante, tão nostálgico, me veio a cabeça flashes de toda uma vida. Ah, a quanto tempo que eu não tomava um banho de chuva? Não lembro, mas lembro que quando eu era criança, quase sempre que chovia, eu tomava banho de chuva, e ficava lá... embaixo da chuva ate os lábios ficarem roxo, e os pés engelhados. Ouvindo minha mãe dizer pra mim entrar, e me enxugar, porque eu podia ficar doente. Aquilo pra mim era tudo, ficava imaginando de onde vinha toda aquela água, fantasiava lugares. E hoje, eu não sei porque, me deu essa saudade de ficar lá... embaixo da chuva, até meus lábios ficarem roxo, e os pés engelhados...

(Scamp, Lary)

P.s: Deus, proteja essas pessoas vítimas de enchentes em todo o mundo, amém!

Template by:

Free Blog Templates